StoryTelling: Como Contar Histórias para Vender Mais

684
storytelling - guia completo

Uma história que comove e permanece: o storytelling nada mais é do que usar as mais  consagradas técnicas de narrativas para que você consiga passar mensagens claras e impactantes para seu público.

As técnicas de storytelling são muito usadas em anúncios para que eles se tornem mais memoráveis e atrativos.

StoryTelling Tradução

Storytelling é uma palavra em inglês, que está relacionada com uma narrativa e significa a capacidade de contar histórias relevantes. Em inglês a expressão “tell a story” significa “contar uma história” e storyteller é um contador de histórias.

O que é StoryTelling?

StoryTelling é o processo de usar fatos e narrativas para comunicar algo ao seu público de forma impactante.

Algumas histórias são reais algumas são embelezadas ou improvisadas para explicar melhor a mensagem central.

Embora essa definição seja bem específica, as histórias realmente se parecem com uma variedade de coisas.

StoryTelling é uma forma de arte muito antiga e  tem um lugar em todas as culturas e sociedades. 

Por quê? Porque as histórias são uma linguagem universal que todos – independentemente do dialeto, cidade natal ou patrimônio – podem entender.

O storytelling e as histórias estimulam a imaginação, a paixão e criam um senso de comunidade entre ouvintes e contadores.

Contar uma boa história é como pintar uma obra de arte na cabeça das pessoas usando as palavras.

Enquanto todos podem contar uma história, certas pessoas ajustam suas habilidades de contar histórias e se tornarem contadores de histórias em nome de sua organização, marca ou negócio. 

Você pode ter ouvido falar dessas pessoas – normalmente nos referimos a elas como profissionais de marketing , redatores e profissionais de relações públicas.

Cada membro de uma organização pode contar uma história. Mas antes de entrarmos no como, vamos falar sobre por que contamos histórias – como sociedade, cultura e economia.

Quer um Ebook GRATUITO com as 152 melhores estratégias de Marketing Digital de 2020?

Por que nós contamos histórias?

Há várias razões para contar histórias – para vender, entreter e educar. Nós vamos falar sobre isso abaixo. 

No momento, quero discutir por que escolhemos a StoryTelling, digamos, em um ponto de venda orientado por dados ou uma lista com marcadores.

Por que as histórias são nossa maneira de compartilhar, explicar e vender informações?

Aqui está o porquê.

Histórias solidificam conceitos abstratos e simplificam mensagens complexas

storytelling apple
A Apple usa o storytelling para siplificar assuntos complexos como computadores e smartphones para descrever seus detalhes com seu consumidor comum.

Todos nós já ficamos confusos ao tentar entender uma nova ideia. Histórias fornecem uma maneira de contornar isso.

Pense nos momentos em que as histórias ajudaram você a entender melhor um conceito complexo.

Talvez um professor tenha usado um exemplo da vida real para explicar um problema de matemática, um pregador ilustrou uma situação durante um sermão ou um palestrante usou um estudo de caso para transmitir dados complexos.

As histórias ajudam a solidificar conceitos abstratos e simplificam mensagens complexas. 

Tomar um conceito elevado e não tangível e relacioná-lo usando ideias concretas é um dos pontos mais fortes da narrativa nos negócios.

Tome a empresa Apple, por exemplo. Computadores e smartphones são um assunto bastante complicado para descrever para seu consumidor comum. 

Usando histórias da vida real, eles conseguiram descrever exatamente como seus produtos beneficiam os usuários … em vez de confiar no jargão técnico que muito poucos clientes entenderiam.

Histórias unem pessoas

Como eu disse acima, as histórias são uma espécie de linguagem universal. Todos nós entendemos a história de herói, do oprimido ou do desgosto. 

Todos nós processamos emoções e podemos compartilhar sentimentos de alegria, esperança, desespero e raiva. 

O storytelling dá às pessoas mais diferentes um senso de comunidade.

Em um mundo dividido por uma infinidade de coisas, as histórias unem as pessoas e criam um senso de comunidade.

Apesar de nossa linguagem, religião, preferências políticas ou etnia, as histórias nos conectam através da maneira como nos sentimos e respondemos a elas.

As histórias nos tornam humanos!

TOMS é um ótimo exemplo disso. Ao compartilhar histórias de clientes e das pessoas que eles atendem por meio de compras de clientes, a TOMS criou um movimento que não apenas aumentou as vendas, como também construiu uma comunidade.

storytelling toms comunidade
A empresa TOMS criou um movimento usando um bom storytelling que não apenas aumentou as vendas, como também construiu uma comunidade ao redor da marca

Histórias inspiram e motivam

As histórias nos fazem humanos, e o mesmo vale para as marcas. 

Quando as marcas se tornam transparentes e autênticas, elas são realistas e ajudam os consumidores a se conectarem com elas e com as pessoas por trás delas.

Aproveitar as emoções das pessoas e descobrir o que é bom e o que é ruim é como as histórias inspiram e motivam.

Eventualmente, impulsionam a ação. As histórias também promovem a fidelidade à marca. 

Criar uma narrativa em torno da sua marca ou produto não apenas a humaniza, mas também a comercializa seus negócios de maneira inerente.

Poucas marcas usam a inspiração como tática de venda.

O Que Faz uma Boa História? Como Ser um Bom Storyteller?

Palavras como “bom” e “ruim” são relativas à opinião do usuário. Mas há alguns componentes não negociáveis ​​que contribuem para uma ótima experiência de Storytelling, tanto para o leitor quanto para o contador

Boas histórias são:

Divertidas: Boas histórias mantêm o leitor ou ouvinte envolvido e interessado no que está por vir.

Educacional: Boas histórias despertam a curiosidade e contribuem para o conhecimento do leitor.

Universal: Boas histórias são relacionadas a todos os leitores e exploram emoções e experiências pelas quais a maioria das pessoas passam.

Organizada: Boas histórias seguem uma organização sucinta que ajuda a transmitir a mensagem central e ajuda os leitores a absorvê-la.

Memorável: Seja através de inspiração, escândalo ou humor, boas histórias ficam na mente do leitor.

Há três componentes que compõem um bom storytelling – independentemente da história que você está tentando contar.

Personagens: cada história apresenta pelo menos um personagem, e esse personagem será a chave para relacionar seu público com a história.

Este componente é a ponte entre você, o contador de histórias e o público. Se o seu público pode se colocar no lugar do seu personagem, é mais provável que ele siga com sua ideia principal.

Conflito: o conflito é a lição de como o personagem supera um desafio. 

Conflito em sua história provoca emoções e conecta o público através de experiências relatáveis. 

Ao contar histórias, o poder está no que você está transmitindo e ensinando. Se não houver conflito em sua história, provavelmente não é uma boa história.

Resolução: toda boa história tem um encerramento, mas nem sempre tem que ser uma boa resolução

A resolução da sua história deve encerrar a história, fornecer contexto em torno dos personagens e conflitos e deixar sua audiência com um call-to-action (Chamada para ação).

Agora que você sabe o que sua história deve conter, vamos falar sobre como criar sua história.

O processo de Storytelling

Nós confirmamos que contar histórias é uma arte. Como a arte, contar histórias requer criatividade, visão e habilidade

Também requer prática!

Pintores, escultores, desenhistas e ceramistas seguem seu próprio processo criativo ao produzir sua arte. Isso os ajuda a saber por onde começar, como desenvolver sua visão e como aperfeiçoar sua prática ao longo do tempo. 

O mesmo vale para contar histórias. Especialmente para empresas que escrevem histórias.

Por que esse processo é importante? Porque, como empresa ou marca, você provavelmente tem uma tonelada de fatos, números e mensagens para transmitir em uma história sucinta.

Como você sabe por onde começar? Bem, comece com o primeiro passo. Você saberá para onde ir (e como chegar lá) depois disso.

1. Conheça o seu público

Quem quer ouvir sua história? Quem vai se beneficiar e responder com maior intensidade? 

Para criar uma história convincente, você precisa entender seus leitores e quem responderá e reagirá.

Antes de colocar palavras no papel (ou cursor para processador de texto), faça uma pesquisa no seu mercado-alvo e defina seu público. 

Esse processo fará com que você conheça quem pode estar lendo, vendo ou ouvindo sua história. 

Ele também fornecerá uma direção crucial para os próximos passos enquanto você constrói a base da sua história.

Caso você não saiba como seu público é você pode fazer as seguintes ações para descobrir:

  • Fazer uma pesquisa
  • Analise seus e-mails abertos e clique nas taxas de conversão para ter uma ideia de quais tipos de conteúdo são mais populares
  • Pergunte aos participantes do seu evento o que eles gostaram
  • Solicitar feedback nos comentários do blog
  • Participe de conversas nas mídias sociais
  • Pergunte aos seus seguidores de Instagram usando a ferramenta de pergunta dos Stories do Instragram

2. Defina sua mensagem principal 

Se sua história é uma página ou vinte, dez minutos ou sessenta, ela deve ter uma mensagem central

Como a base de uma casa, ela deve ser estabelecida antes de avançar.

Sua história está vendendo um produto ou levantando fundos? Explicando um serviço ou defendendo um problema? Qual é o sentido da sua história? 

Para ajudar a definir isso, tente resumir sua história em seis a dez palavras. Se você não pode fazer isso, você não tem uma mensagem central.

3. Decida que tipo de história você está contando

Nem todas as histórias são criadas iguais. Para determinar que tipo de história você está contando, descubra como você deseja que seu público se sinta ou reaja ao ler.

Isso ajudará você a determinar como você vai tecer sua história e qual objetivo você está perseguindo. 

Se o seu objetivo é:

Fazer com que seus leitores façam algo: sua história deve descrever como uma ação bem-sucedida foi concluída no passado e explicar como os leitores podem implementar o mesmo tipo de mudança. 

Evite detalhes excessivos e exagerados ou mudanças de assunto para que seu público possa se concentrar na ação ou mudança que sua história incentiva.

Conte às pessoas sobre você: conte uma história que mostre lutas, falhas e vitórias genuínas e humanizadoras.

O consumidor de hoje gosta de se conectar a marcas que comercializam com autenticidade e narração de histórias não é exceção.

Transmita valores: conte uma história que explora emoções familiares, personagens e situações para que os leitores possam entender como a história se aplica à sua própria vida. 

Isso é especialmente importante ao discutir valores com os quais algumas pessoas podem não concordar ou entender.

Fomente a comunidade ou a colaboração: conte uma história que leve os leitores a discutir e compartilhar sua história com outras pessoas. 

Use uma situação ou experiência com a qual os outros possam se relacionar e diga: “Eu também!” Mantenha situações e personagens neutros para atrair a maior variedade de leitores.

Transmitir conhecimento ou educar: contar uma história que apresenta uma experiência de tentativa e erro, para que os leitores possam aprender sobre um problema e como uma solução foi descoberta e aplicada. 

Discuta outras soluções alternativas também.

4. Estabeleça sua call-to-action no final de seu Storytelling

Seu objetivo e call-to-action são semelhantes, mas sua call-to-action estabelecerá a ação que você gostaria que seu público fizesse após a leitura.

O que exatamente você quer que seus leitores façam depois da leitura? Você quer que eles doem dinheiro, assinem uma newsletter, façam um curso ou comprem um produto? 

Esboce isso ao lado do seu objetivo para garantir que eles se alinham.

Por exemplo, se seu objetivo é promover a comunidade ou a colaboração, sua frase de para chamar a atenção pode ser “Toque no botão de compartilhar abaixo”.

5. Escolha o seu meio de história

As histórias podem ter muitas formas.

Algumas histórias são lidas, algumas são assistidas e outras são ouvidas. Seu meio de história escolhido depende do tipo de história e dos recursos, como tempo e dinheiro.

Aqui estão as diferentes maneiras de contar sua história.

Uma história escrita é contada através de artigos, posts ou livros. Estes são principalmente textos e podem incluir algumas imagens.

As histórias escritas são, de longe, o método mais acessível e mais fácil de contar histórias, uma vez que requer apenas um gerenciador de texto gratuito, como o Google docs ou uma caneta e um papel.

Uma história falada é contada pessoalmente, como uma apresentação ou painel. As palestras do TED são consideradas histórias faladas. 

Por causa de sua natureza “viva” e não editada, as histórias faladas geralmente exigem mais prática e habilidade para transmitir mensagens e provocar emoções nos outros.

Uma história por meio de um áudio é falada, mas gravada – é o que a diferencia da história falada. 

Histórias de áudio estão geralmente em formato de podcast, e com a tecnologia de hoje, criar uma história em forma de áudio, ou seja, gravada é mais fácil do que nunca.

Uma história digital é contada através de uma variedade de mídias, como vídeo, animação, histórias interativas e até mesmo jogos. 

Esta opção é de longe a mais eficaz para histórias emocionalmente ressonantes, bem como histórias visuais e ativas.

É por isso que também é a mais cara. Mas não se preocupe: a qualidade do vídeo não importa tanto quanto transmitir uma mensagem forte.

6. Escreva!

Agora é hora de colocar as palavras no papel e começar a elaborar sua história.

Com sua mensagem principal, o objetivo do público-alvo e o call-to-action já estabelecido, essa etapa é simplesmente adicionar detalhes e um toque criativo à sua história.

7. Compartilhe sua história

Não se esqueça de compartilhar e divulgar sua história! Como  qualquer conteúdo, criá-lo é apenas metade da batalha – compartilhar é o outro.

Dependendo do seu meio escolhido, você definitivamente deve compartilhar sua história em mídias sociais e e-mail. 

Além disso, as histórias escritas podem ser promovidas em seu blog ou por meio de comentários em outras publicações. 

Você pode colocar o link de suas histórias na biografia do Instagram para conseguir que seus seguidores cliquem nela

Histórias digitais podem ser compartilhadas no YouTube.

Embora as histórias faladas sejam mais bem transmitidas pessoalmente, considere gravar uma apresentação ao vivo para compartilhar mais tarde.

Quanto mais lugares você compartilhar sua história, mais engajamento você pode esperar do seu público.

Exemplos Reais de Storytelling

Agora veremos alguns exemplos de StoryTellings para você inspirar-se e começar a fazer as suas histórias!

Histórias contadas pelos Clientes

À medida que nosso mundo se torna cada vez mais conectado, os consumidores têm muitas plataformas para compartilhar seus pensamentos e opiniões. 

Com 92% das pessoas admitindo confiar em seus colegas em relação a um anúncio, os encarregados de liderar uma equipe precisam garantir que sua marca esteja oferecendo aos clientes ou aos clientes de um cliente a oportunidade de contar suas histórias.

Essa narrativa gerada por usuários ajudará a aumentar o engajamento, aumentar a confiança e expandir enormemente seu alcance. 

Isso pode ser feito simplesmente por sua equipe que tiram um dia de recolher  de informações da mídias sociais, com divulgação de blogueiros ou convidando clientes influentes a escrever postagens em seu blog.

Para inspiração, essa narrativa centrada no cliente da Airbnb é um excelente exemplo. 

Como uma empresa totalmente voltada para o cliente, em vez de contar sua versão de sua história, a empresa aproveita o poder da narrativa conduzida pelo cliente

A plataforma é chamada de ‘Histórias da Comunidade Airbnb’ e é altamente envolvente com uma mistura de histórias incríveis publicadas regularmente.

Quando se trata de contar histórias com base no cliente, essencial não só para dar à sua equipe a confiança para alcançar os públicos-alvo de sua empresa por meio de diferentes estratégias, mas oferece acesso a uma variedade de meios digitais para isso.

Dito isso, é essencial que, como líder, aprender a entender seu público por meio da escuta social e ficar a par das táticas de envolvimento do cliente sempre em evolução é uma prioridade.

Storytelling de forma Imersiva

Os especialistas sugerem que mais de 200 milhões de óculos de realidade virtual serão vendidos até 2020. 

Com a realidade aumentada se tornando uma opção cada vez mais viável para as empresas se conectarem e praticarem storytelling com seu público por meio da realidade virtual. 

Isso está rapidamente se tornando uma ferramenta interessante para as marcas transmitirem suas mensagens. 

Seguindo o insondável sucesso do Pokemon Go (um aplicativo de realidade aumentada baixado por 65 milhões de usuários nos EUA no ano passado), a IBM está lançando um novo aplicativo de RV em conjunto com o The New York Times. 

Este novo e excitante aplicativo de realidade aumentada é inspirado no filme temático da NASA, Fox, ‘Figuras escondidas’.

Esse aplicativo permitirá aos usuários mergulhar em um museu virtual e descobrir pessoas menos conhecidas da história – um desenvolvimento que irá inspirar, engajar e educar em um todo novo nível.

Tomando um indivíduo e imergindo-o em uma experiência sensorial que forma o centro da história da sua marca, sua empresa deve fazer uma conexão significativa como nunca antes.

À medida que essa forma de contar histórias das marcas se desenvolve, espera-se que uma série de inovações venha à tona para os profissionais do marketing digital.

Um meio storytelling imersivas que ajudará não apenas na criação de campanhas inovadoras, mas também dará a outras ferramentas as suas habilidades para um nível totalmente novo.

Contar histórias imersivas é, até certo ponto, está em sua infância. 

Como resultado, este admirável mundo novo de contar histórias tem uma quantidade enorme de oportunidades com muitas novas habilidades para dominar ao longo do caminho. 

Dito isso, como líder, você deve fomentar uma cultura de aprendizado, dando à sua equipe o tempo e os recursos para se aprimorar e ganhar novos conhecimentos para tornar a narrativa imersiva da sua marca criativa e inovadora.

Ao tomar uma pessoa e mergulhá-la em uma experiência sensorial que forma o  centro da história da sua marca, sua empresa se posiciona para impulsionar o engajamento de uma forma enorme. 

Homem na Lua; John Lewis – Exemplo de Storytelling

A cena: Não podemos resistir a compartilhar outro anúncio de John Lewis, especialmente quando são tão doces quanto isso. 

Seu anúncio anual de Natal é ansiosamente esperado no Reino Unido, e este de 2016 não foi diferente. 

O anúncio retrata a jornada de uma garotinha para fazer o velho solitário que realmente vive na lua um presente para animá-lo no Natal. 

John Lewis juntou o lançamento do vídeo com uma parceria com a Age UK para ajudar os adultos mais velhos que podem estar sozinhos nos feriados. Tente ver sem chorar.

 

O que gostamos: o anúncio criativo de John Lewis incentiva um espírito de generosidade, em vez de um foco no que você pode obter, o que é uma reviravolta surpreendente para uma loja de departamentos que procura fazer vendas nos feriados. 

Sua história evoca a compaixão colocando você no lugar da garotinha que quer ajudar o homem idoso que não tem ninguém.  

Uma história gigante; Intuit – Exemplo de Storytelling

A cena: A Intuit, a empresa por trás da Turbo Tax and Mint, criou este anúncio, dobrando como uma história de amor, para mostrar a prosperidade que é possível quando você tem sua tecnologia ao seu lado. 

Eles mostram um jovem inventor com um talento especial para fazer gadgets úteis, criando um robô para ajudar seu amigo florista a fazer crescer seu pequeno negócio.

O que nós gostamos: o vídeo usa uma história de amor animada para mostrar o valor de seus produtos de software – um par que você pode não parecer comun, mas que funciona. 

Eles humanizam sua oferta de produtos, ajudando-nos a imaginar as possibilidades quando usamos seu software.

“Nós vamos cuidar de você, onde quer que você esteja”, Samsung – Exemplo de Storytelling

A cena: o anúncio da Samsung India mas vale a pena assistir – prepare-se. 

Eles mostram um técnico de TV viajando por várias milhas através do país para chegar a uma casa remota para consertar uma TV antes de uma hora específica. 

Não falarei como é o final para não estragar a surpresa, mas você entenderá porque é tão importante que ele chegue a tempo quando o anúncio acabar.

O que nós gostamos: a Samsung usa essa história tocante para transmitir sua dedicação aos seus clientes. 

Tem uma mensagem semelhante ao anúncio do Tiny Dancer – eles querem que você saiba que eles se importam com o que é importante para você, não importa quem você é ou a que distância você mora.

Conclusão – O Storytelling é Muito Importante em Nossas Vidas e Para os Negócios!

Pesquise o seu público alvo e crie histórias perfeitas para impactar seu público de forma que eles nunca mais vão esquecer sua marca!

Quer um Ebook GRATUITO com as 152 melhores estratégias de Marketing Digital de 2020?

Considere ler os nossos seguintes artigos:

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Insira seu nome aqui